Digest 02/08 - Fed corta os juros e impulsiona Bitcoin

Bitcoin volta ao patamar de R$ 10 mil ao passo que os juros no mundo inteiro começam a cair. O primeiro passo foi dado pelos EUA, em seguida o Brasil e o EBC já se prepara. Entenda o racional, no meio do ano que vem o halving irá diminuir a taxa de inflação do Bitcoin, e, com o juros do mundo todo caindo, a tendência é a inflação subir e o Bitcoin ficar bem mais competitivo.


Variação de mercado. (Fonte: Coin360)

Segundo reportagem divulgada pelo Wall Street Journal na semana passada, a Receita Federal dos EUA (IRS) está enviando cartas de alerta para mais de 10 mil detentores de criptomoedas sob a alegação de que eles poderiam estar infringindo leis fiscais federais. O WSJ pressupõe que as informações sobre os usuários teriam sido coletadas através da Coinbase. A exchange já foi alvo de escândalos em 2013 e 2015 por ter entregue milhares de dados de clientes que negociaram mais de US$ 20 mil através da plataforma. Com a pressão da Receita Federal americana, o Bitcoin caiu 7% no sábado (27).


Oscilação do Bitcoin na semana. (Fonte: BitcoinTicker)

O Fed (Federal Reserve) cortou a taxa de juros nos EUA em 0,25% para a faixa entre 2% e 2,25% na quarta-feira (31). O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), que faz parte da estrutura do sistema, justificou a decisão alegando um lento crescimento global. O ato foi vantajoso para o Bitcoin, segundo o cofundador da Fundstrat Global Advisors, Tom Lee: “Cortes de taxa estão adicionando liquidez. A liquidez está empurrando dinheiro para todos esses ativos de risco e também hedges, o que está ajudando o Bitcoin”. Esse foi o primeiro corte do Fed desde a criação do Bitcoin. No Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom) também reduziu a taxa básica de juros de 6,5% para 6% ao ano. A expectativa de analistas, segundo o jornal Folha de São Paulo, é de que os juros se aproximem de 5,5% ao final deste ano. Com as decisões do Fed e do Copom, o dólar subiu 0,34% nesta quinta-feira.


Outra notícia global positiva para o Bitcoin foi a declaração do governo australiano na última semana de que planeja proibir pagamentos em dinheiro acima de 10 mil AUD (US$ 6.900). Ou seja, todas as grandes compras de bens e de serviços devem ser autorizadas primeiro por um banco. O Tesouro da Austrália, entretanto, excluiu as criptomoedas dessa restrição sob a justificativa de que as regulamentações limitariam a inovação se cobrirem as criptomoedas. Diferente das moedas fiduciárias, o Bitcoin não requer nenhuma autoridade central para emissão e o usuário pode transacionar sem restrições através da rede.


A Procuradoria Geral de Nova York (NYAG) está investigando as alegações de que a exchange Bitfinex teria encoberto a perda de quase US$ 1 bilhão em fundos de clientes ao pegar emprestado de reservas do Tether. O Tether já está sendo acusado, também pela NYAG, por permitir que os usuários residentes dos EUA ignorarem as restrições de negociações do Bitcoin e alavancadas. De acordo com o portal Guia do Bitcoin, analistas acreditam que o esse caso judicial da Bitfinex pode elevar a volatilidade do Bitcoin e de todo o criptomercado na próxima semana.


A carteira digital Blockchain lançou uma nova exchange, The PIT, com o objetivo de vencer a Coinbase. O CEO da empresa, Peter Smith, afirmou que o projeto foi realizado por pessoas da Blockchain, TD Ameritrade, Google e Goldman Sachs, liderado por uma equipe de ex-membros da Bolsa de Valores. A diretora de comércio da Blockchain, Nicole Sherrod, disse que a The PIT forneceria aos investidores um grau de liquidez que não é visto nas exchanges concorrentes, como Binance e Coinbase.


Queremos lembrar temas já comentados nas últimas edições: reta final para o halving do Litecoin e o início da prestação de contas das transações de criptos para a Receita Federal.



Opinião do Christian:

O movimento mais esperado aconteceu. Queda nos juros é a coisa mais favorável ao preço do Bitcoin. Aguardamos a aprovação do congresso e depois a crise financeira da Europa. Tudo conspira a favor do Bitcoin.

Carteira super bem montada. Maior parte no Bitcoin, halving do Litecoin e hedge na Binance Coin.


Carteira do Christian:

(60%) Bitcoin: ∆ +5,04%

(25%) Litecoin: ∆ +6,39%

(15%) Binance Coin: ∆ -2,05%

0 visualização
CONTATO